Cinco curiosidades sobre Psilocibina

Psilocibina é um enteógeno, estando seu consumo de substâncias estudadas há pouco mais de um século, ganhando popularidade, como os estudos de Drs. Timothy Leary e Richard Alpert na Universidade de Harvard na década de 1960 sendo culturalmente associado ao movimento hippie, junto ao LSD. Não foi tão popular quanto o mesmo apesar de produzir efeitos similares.

Está presente em cogumelos alucinógenos usados na medicina tradicional asteca-nahuatl da Meso-América.

Os astecas o chamavam genericamente de teonanácatl ou carne dos deuses, os mazatecos o denominam ntsi-si-tho onde ntsi é um diminutivo carinhoso e o restante da palavra poderia ser traduzido como “aquele que brota”.

Com a grande procura pelos cogumelos mágicos de psilocibina, resolvemos trazer 5 curiosidades que podem ajudar você a entender um pouco mais sobre o potencial dos cogumelos psilocybe cubensis, confira psilocybe cubensis desidratado como usar e acompanhe:

Como os psicodélicos mudam nosso cérebro?

Clinical Imaging Facility Hammersmith Clinical Imaging Facility (CIF)in the basement of the Wolfson Building at the Hammersmith Campus, which is entirely dedicated to imaging research. The facility includes a new positron emissions tomography scanner, an MRI scanner, angio suite.

O trabalho do Centro mostrou que a psilocibina pode ajudar a “reiniciar” o cérebro e romper com padrões de atividade há muito enraizados vistos na depressão.

O trabalho de acompanhamento inicial e não publicado da equipe mostra que, quando as pessoas veem rostos carregados emocionalmente, os antidepressivos ISRS (drogas como fluoxetina e escitalopram) atenuam a resposta a todos os rostos, mas a psilocibina só pode atenuar os rostos carregados negativamente.

Dr. Carhart-Harris explica: “Com o antidepressivo do tipo Prozac… vemos um amortecimento ou amortecimento da capacidade de resposta do cérebro a estímulos emocionais em relação à psilocibina. Isso faz sentido porque a psilocibina é mais como uma recalibração ou redefinição emocional, enquanto o SSRI [antidepressivo] é mais como diminuir a intensidade emocional que ajuda no gerenciamento do estresse.”

Aprofundando-se nisso, o Centro planeja estudar como os psicodélicos alteram a atividade de nossos cérebros. Os estudos devem começar a analisar as ondas cerebrais e os dados de ressonância magnética em voluntários que receberam psilocibina e DMT (o composto ativo encontrado na bebida psicodélica amazônica ayahuasca) para comparar sua atividade cerebral antes e depois de sua experiência.

Como as pessoas estão usando psicodélicos e podemos reduzir possíveis danos?

Nos últimos dois anos, a equipe vem coletando dados do mundo real sobre como as pessoas estão usando drogas psicodélicas, obtendo informações valiosas.

Por meio da Pesquisa Psicodélica em andamento e do lançamento iminente do aplicativo MyDelica , a equipe espera usar uma abordagem baseada em dados para ajudar a informar as pessoas que pretendem tomar psicodélicos sobre a importância do cenário, contexto mais amplo e estado psicológico sobre os resultados.

Um dos objetivos é educar as pessoas e fornecer aconselhamento, o que pode ajudar a reduzir os danos e, em última análise, melhorar os resultados psicológicos.

“Nós realmente vimos, analisando alguns dados recentes, que o uso de psicodélicos nos últimos 10 anos aumentou exponencialmente”, explica o Dr. Carhart-Harris.

“Com a amostragem on-line e o aplicativo que estamos desenvolvendo, a intenção é reduzir o risco de parte disso e fornecer redução de danos, conselhos de psicoeducação para tentar manter as pessoas seguras, essencialmente.”

A psilocibina pode ajudar a tratar a anorexia?

Após resultados iniciais positivos em um pequeno teste de terapia assistida por psilocibina para depressão, o Centro está definido para analisar se a mesma abordagem poderia ajudar na anorexia nervosa.

Com base em evidências de um pequeno número de estudos de caso históricos do uso de psicodélicos em transtornos alimentares, a equipe testará a terapia assistida por psilocibina em adultos jovens com anorexia para ver se o tratamento é viável e eficaz.

De acordo com o Centro : “A anorexia nervosa é a mais fatal de todas as condições psiquiátricas. Com a atual escassez de tratamentos farmacológicos e psicológicos eficazes e menos da metade dos diagnosticados se recuperando completamente, há uma grande necessidade de explorar novos caminhos de tratamento”.

Os psicodélicos podem aliviar a dor crônica?

Apesar dos inúmeros avanços no alívio da dor, tratamentos eficazes e não viciantes para dor crônica de longo prazo – como dor lombar – permanecem indefinidos.

Há evidências crescentes de que naqueles com condições de dor crônica, as conexões cerebrais que retransmitem e processam os sinais de dor podem se tornar reforçadas e fortalecidas ao longo do tempo, como parte de um ciclo de feedback que os sensibiliza ainda mais a sentir dor e a resposta emocional negativa associada.

Os psicodélicos podem oferecer uma oportunidade de “redefinir” essas vias neurais. A esperança é que, ao interromper esse circuito de dor arraigado, os psicodélicos possam oferecer uma maneira de reduzir a sensibilidade excessiva do cérebro aos sinais de dor.

De acordo com o Dr. Carhart-Harris, o Centro do Imperial College London espera iniciar um estudo ainda este ano.

O que é consciência?

Uma das áreas mais fundamentais que os pesquisadores esperam avançar com os estudos e comprar alucinógenos é parte da nossa compreensão da consciência humana.

Ao analisar a atividade cerebral antes, durante e depois de experiências psicodélicas, a equipe espera poder esclarecer mais os estados cerebrais ligados à chamada “experiência mística” associada aos psicodélicos.

A equipe já lançou algumas das bases, com sua pesquisa anterior de DMT sobre o ‘estado de sonho acordado’ ligado à ayahuasca concentrada.

Acredita-se que uma melhor compreensão de como diferentes padrões de atividade cerebral dão origem a alucinações e consciência desperta poderia nos permitir cutucar o cérebro quando ele está preso em certos padrões negativos.

Os psicodélicos podem “redefinir” a atividade cerebral e permitir que as pessoas saiam de padrões de comportamento negativos arraigados – ligados ao vício, depressão ou dor, por exemplo – que foram reforçados e fortalecidos ao longo da vida de uma pessoa.

“O DMT é um psicodélico particularmente intrigante”, comentou o Dr. Carhart-Harris anteriormente ou ‘cogumelos mágicos'”, explicou.

“Nossa percepção é que a pesquisa com DMT pode gerar insights importantes sobre a relação entre atividade cerebral e consciência, e [nosso trabalho anterior ] é um primeiro passo nesse caminho”.

Espero que este artigo tenha lhe trazido mais uma parcela de conhecimento relacionado a psilocibina, precisamos conhecer antes de prejulgar, só o conhecimento é capaz de quebrar barreiras, o conhecimento assim como o micellium tem a capacidade de conectar e de regenerar, não deixe de compartilhar este artigo com seus amigos e familiares que estão prontos para esta conversa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *